Reflexões para confissões

Share Button

(Diocese de São José dos Campos,SP)

Reflexão à luz da Palavra

           Sacramento da reconciliação:
           exame de consciência,
           arrependimento,

folheto confissoes            bom propósito,
           confissão dos pecados,
           penitência.

Faça uma reflexão sobre a sua condição de pecador e sobre a misericórdia do Senhor.

Jesus diz:

“Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores” (Mt 9,13)

“Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não precisam se arrepender” (Lc 15,7)

“Se perdoardes aos outros as ofensas que eles vos fizeram, também vosso Pai celeste vos perdoará. Mas, se não lhes perdoardes, também o vosso Pai não vos perdoará” (Mt 9,13)

Disse Jesus aos Apóstolos:

“Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados. A quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 20,22-23)


Exame de consciência

I- O Senhor diz: “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma” (Dt 6,5)

Que lugar ocupa Deus na minha vida? Amo verdadeiramente a Deus com todo o meu coração, ou vivo apenas preocupado com as coisas materiais – trabalho, negócios, riquezas, bem-estar temporal?

Procuro cultivar a minha fé e a minha formação cristã, participando de cursos, lendo a Bíblia, o catecismo, etc?

Rezo todos os dias e procuro que os meus familiares também rezem? Participo habitualmente da Missa aos domingos e dias santos, ou falto sem motivo justificado?

Respeito os bens alheios? Recusei-me, sem razão, a dar ou a emprestar?

Consagro a Deus o meu trabalho, estudo, doença? Nas dificuldades, recorro a Deus comfé e perseverança, ou consulto benzedeiras, centros, seitas e outras coisas que não condizem com a fé?

Colaboro nas atividades apostólicas da minha paróquia, ou vivo completamente à margem? Contribuo com o Dízimo?

II- O Senhor diz: “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei” (Jo 15,12)

Reparto os meus bens com os que são mais pobres do que eu? Ou sou avarento e egoísta, querendo sempre o melhor para mim?

Dedico parte do meu tempo aos doentes, à catequese, aos marginalizados? Por quanto depende de mim, defendo os oprimidos?

Sou honesto no emprego, sério no trabalho e nos negócios? Apodero-me do que não é meu? Prejudico os outros? Engano-os? Faço juízos temerários, critico, rogo pragas, alimento ódio contra alguém?

Como filho: sou obediente e respeitador com os meus pais? Ajudo-os nas necessidades espirituais e materiais? Dou-me bem com os irmãos?

Como pai ou mãe: sou solícito na educação e formação cristã dos meus filhos? Sou demasiado exigente e intolerante para com as suas faltas, originando conflitos desnecessários?

Como marido ou esposa: sou fiel e amo com todo o coração? Observo a lei moral e cristã no uso do matrimônio? Aceito como dom de Deus os filhos, ou tento eliminá-los provocando o aborto? Aconselhei ou colaborei para que alguém fizesse o mesmo?
III- O Senhor diz: “Sede perfeitos, como o vosso Pai do Céu” (Mt 5,48)

Procuro viver na presença de Dues, fazendo o possível para O agradar, ouvivo como se Deus não existisse? Recorro ao sacramento da reconciliação quando tenho necessidade? Comungo com freqüência?

Suporto com paciência e espírito de fé as contrariedades da vida?

Guardo os meus sentimentos e todo o meu corpo na pureza e na castidade, como templo que sou do Espírito Santo?

Na condução de veículos, respeito as regras de trânsito? Uso todas as cautelas para não pôr em risco a minha própria vida e a dos outros?

Abuso da comida ou da bebida? Tomo ou contribuo para que os outros tomem drogas prejudiciais à saúde?

Provoco escândalo com as minhas conversas, atitudes, maneiras de vestir? Deleito-me a ver filmes, programas de TV ou fotografias imorais?
Confissão

É o momento de apresentar-se ao sacerdote, e com muita naturalidade, confessar os pecados. É preciso ser claro e objetivo, sem justificações. Há outras pessoas que esperam para ser atendidas.

Ato de Contrição

Invoquemos a misericórdia de Deus!

Tende piedade de mim, ó Deus, pela vossa grande misericórdia a apagai os meus pecados. Crieri em mim, ó Deus, um coração puro. (Sl 50)

Meu Jesus, crucificdo por minha culpa, estou arrependido por ter pecado, pois ofendi a Vós, que sois tão bom, e mereci ser castigado neste mundo e no outro. Perdoai-me, Senhor, não quero mais pecar.

Terminada a confissão, o sacerdote pronuncia as palavras da absolvição fazendo sobre você o sinal da cruz.

Coragem, filho! Os teus pecados estão perdoados. Vai em paz e o Senhor te acompanhe! (Mt 9,2)
Gratidão

Agradeça a Deus repetindo algumas destas expressões:

A bondade do Senhor veio em meu auxílio!

A minha alma glorifica ao Senhor e o meu coração exulta de alegria em Deus, meu Salvador! (Lc 1,46-47)

Dou-vos graças, Senhor, por todos os vossos benefícios.

 

Não se esqueça de cumprir a penitência com orações e obras de caridade

 

Saiba:

PECADO ESQUECIDO na confissão fica perdoado se eu fiz bem o exame de consciência.

PECADO ESCONDIDO na confissão não fica perdoado e eu não posso comungar e tenho que fazer outra confissão.

Está errado pôr comida limpa em prato sujo. Está errado receber a Jesus num coração sujo de pecado grande.

Primeiro a gente lava o prato e depois põe a comida.

Primeiro eu tenho que lavar minha alma com uma confissão bem feita e depois ir receber a Jesus na Hóstia.

(São Paulo, na sua 1ª Carta aos Coríntios, Cap 11,23-29, lembra-nos disto)

 

Reconhecer-se Pecador

Se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos e a verdade não está em nós. Se confessarmos nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar os peados e nos purificar de toda a culpa. (1ª carta de São João, Cap 1,8-9)

O pecado é aquele egoísmo que vai tomando conta de nós e faz com que negligencemos os nossos deveres para com Deus, para com os outros (pecado social) e até para conosco mesmos.

Share Button
Print Friendly